30 de mai de 2012

Sai da Frente!


A história é mais ou menos a seguinte: uma família básica, meio estressada, -  o que hoje em dia é muito comum – recebe a notícia de que alguns parentes estão para chegar para passar o fim de semana. O problema é que são mais pessoas do que essa família imaginava, ou seja, não há lugar para acomodar a todos confortavelmente. Além disso, boas maneiras não são o forte da família visitante, o que causa situações engraçadas e embaraçosas, levando a família a um ataque de nervos.

SAI DA FRENTE!!!

PERSONAGENS:
                   Da casa:
§  Pai - Vítor;
§  Mãe – Fátima
§  Uma vovó com clássicos sinais de senilidade
Parentes:
ð  Alfredo (um cara tentando ser inventor)
ð  Benedita (uma ex-caipira tentando virar chique):
ð  Duas crianças brincalhonas, arteiras.
ð  Dois adolescentes que gostam de ouvir música alguns – ou muitos - decibéis acima do suportável.
ð   

Tudo começa na hora do almoço...(voz de narrador: “tudo começa numa sexta-feira”).. A vovó está tentando alcançar um pãozinho que está sobre a mesa, acaba escorregando, caindo, pede socorro. Fátima aparece, a socorre, pede ajuda a Vítor. Quando todos estão acomodados, começam a almoçar.
Toca o telefone..( sempre nessas horas, que saco!)

FÁTIMA: - Alô? Prima Benedita, quanto tempo que a gente não se fala! É, faz anos, mesmo... Como? O que aconteceu? A  reforma da casa está terminando e esse fim de semana vocês não tem para onde ir? Venham para cá. Não, o Vítor não vai se incomodar. Temos muito papo para por em dia.  Sim, claro. Conversamos melhor amanhã de manhã. Tchau, até mais.

Fátima volta para a mesa e explica que no dia seguinte a sua prima Benedita vai chegar, diz que é melhor arrumar a casa. . Chega a hora do remédio da vovó, que faz um escândalo enorme para tomá-lo.  
A vovó vai assistir tv, Vítor vai trabalhar e Fátima tenta dar uma geral na casa.
Voz narra – AS HORAS PASSARAM (musiquinha de tempo).... A NOITE CHEGOU....
Todos estão  assistindo televisão após jantar. Depois de um tempo, todos dão boa-noite e vão dormir, com exceção de Astrogilda, que quer assistir mais um pouco e acaba dormindo na sala. Mais tarde se ouve um barulho de batida na porta. Vítor acorda sonolento e vai ver o que é. Resmunga que acabou de deitar... abre a porta e dá de cara com a prima Benedita.

VÍTOR:  desculpe, nós não compramos livros  (fecha a porta na cara dos visitantes) – Benedita bate novamente, Fátima aparece e a reconhece.  

FÁTIMA:  - Ora, é mesmo você, Benedita?(assustada com o visual  da Bene) Como está diferente!
BENE. – Fátima,querida,quanto tempo!!!!!!
FÁTIMA: - Vamos entrando. Fique à vontade. 
BENE. -  Pessoal, vamos entrar, vamos!!!

Entram Alfredo, Benedita e apresentam os filhos adolescentes. Logo atrás entram os dois últimos..
FÁTIMA: - Vocês trouxeram mais gente?
BENE.  – Puxa, esqueci de avisar. Nós tivemos mais dois filhos. Mas eles são uns amores, não vão atrapalhar em nada.
Fátima quer ser agradável com as crianças:

FÁTIMA: Como vão vocês?

Os pequenos percebem a vovó na sala, olham um para o outro, dão um sorriso maroto, e gritam:  a vovó!!! Fazem a vovó tropeçar, são recriminados e todos se mobilizam para ajudar a vovó.Quando a situação se acalma, Fátima intervêm:

FÁTIMA:  Bem, vamos nos acomodar e dormir. Benedita e Alfredo ficam no quarto de hóspedes. Os maiores ficam na  salinha e os pequenos ficam dormindo no quarto das crianças.
BENE. -  Não se preocupem, ficaremos todos bem. Vocês nem vão sentir nossa presença!

Todos vão dormir.Logo os pequenos acordam e amarram a vovó, que foi esquecida na sala e dormiu na cadeira mesmo. Mais tarde, os adolescentes acordam para fazer uma boquinha e resolvem desamarrar e acordar a vovó.
A vovó acorda e começa a conversar com os adolescentes. Diz que também gosta de música e pede para que a escutem tocar um instrumento. A música é horrível, e acorda a todos. O primeiro a acordar é Alfredo, que faz o barulho parar. Quando se vêem em apuros, os filhos adolescentes escapam. Fátima e Vítor acordam em seguida, depois os outros. Fátima aproveita que todos estão acordados e serve o café da manhã. Não há cadeiras para todos, Fátima e Vitor pedem para a platéia passar algumas cadeiras. Quando tudo está pronto, as visitas comem tudo e não sobram nada para os donos da casa.Astrogilda tem um pãozinho, mas os filhos de Benedita roubam também este. Fátima fica horrorizada e diz que precisará comprar mais comida. Benedita diz que o dia está magnífico. Alfredo sugere que todos façam um passeio, e Vítor os guiará pela cidade, enquanto Fátima vai comprar mais comida.  Os filhos de Benedita resolvem ficar em casa mesmo.
Logo que todos saem, os filhos de Benedita se entreolham:

Filho 1: A casa...
Filho 2: ...está...
Filho 3: ...vazia!!!
Filho 4:    OBA!!!
Astrogilda: SOCORRO!
Filhos todos: FESTA!

 

 Todos resolvem apostar uma corrida de cadeiras entre um dos filhos e a vovó. O adolescente rouba a corrida e vovó acaba caindo no chão. Fátima aparece e fica apavorada. Pede quem foi que fez isso com sua mãe, os filhos de Benedita se acusam mutuamente e acabam apontando para a platéia. (alguém na platéia pode gritar: nem olhem para mim, eu, hein? Ou algo assim)

Benedita e Alfredo aparecem para ajudar..Vêm dois personagens com uma maca e tentam reanimar a vovó..  Só que vão embora com a bengala e deixam a vovó no chão.


Fátima e Benedita dão remédio à vovó(mais um escândalo) e todos vão almoçar. Quando o almoço é servido, os filhos de Benedita atacam de novo. Fátima não se contém e grita:

FÁTIMA: CHEEGAAA! Vocês parecem um bando de porcos! Não tem educação, etc....

 Todos começam a discutir e fica uma confusão tremenda. Enquanto isso, Astrogilda se prepara: veste um quimono, mimica uns golpes de arte marcial, e quando está pronta grita:

ASTROGILDA: Silêncio!!!! Agora, vocês vão ver!!!(vira para a platéia): Agora, vamos fechar as cortinas, pois as cenas a seguir são de extrema violência.

FECHAM AS CORTINAS

 Enquanto as cortinas permanecem fechadas, os personagens as balançam, arrastam cadeiras, gritam. Os pequenos  tentam sair, aparecendo na cortina, a vovó os puxa de volta.
 QUANDO AS CORTINAS ABREM, todos aparecem sentados, amarrados em suas cadeiras, ouvindo um sermão da vovó:

 Astrogilda: Vocês! Vocês não têm vergonha? (todos abaixam a cabeça) vocês que me derrubaram, fizeram uma bagunça enorme na casa, brigaram e principalmente... Me deixaram sem pãozinho!! ( vai dando sermão...) Agora eu vou soltar vocês...e quero essa casa limpa e arrumada! E o principal.... vocês vão ter que me dar  um pãozinho!

Astrogilda os desamarra. Todos se levantam e Alfredo toma a palavra:

 Alfredo: A vovó tem razão. Pedimos desculpas, e já vou tomar providências agora. Vocês (dirige-se pequenos) ficarão sem sair de casa por três meses. E vocês (dirige-se aos adolescentes), seis meses sem mesada.

Benedita:  E tem mais, vocês vão levantar agora e pedir desculpas a todos nesta casa.

Todos se desculpam. Ajudam a arrumar e limpar a casa.
Alfredo dá um superultra-mega pãozinho à Astrogilda como um pedido de desculpas.  Benedita diz que agora eles vão embora, pois prometeram passar o domingo na casa de uma outra prima. Os moradores da casa fingem um “já, tão cedo”... Todos se despedem e os visitantes vão embora. Fátima e Vítor respiram aliviados. (mais alguma coisa?).

FECHA E ABRE CORTINA, CUMPRIMENTO AO PÚBLICO...
    
FIM!!!

29 de mai de 2012

Nova Aba: Teatros

Criando um novo espaço aqui no blog da ADB, postaremos várias peças de teatros já apresentadas pelo nosso grupo ao longo dos anos.

Já avisando que se você tiver um grupo de teatro e quiser utilizar as peças, fique à vontade, desde que citada a fonte, ok?

Uma boa e abençoada semana, e amanhã estrearemos este novo espaço, até lá!